Bahia Brasil Brumado-Bahia Caetité Candiba Comércios Destaque Educação Guanambi Bahia Noticias Pancadão Pancadão-Ibiassucê Sudoeste da Bahia Vitória da Conquista www.ZUMPE.com.br

Bahia: um terço da população não estuda, não trabalha e não faz faculdade

A Bahia tem o segundo pior índice de adultos com ensino superior completo no Brasil. Segundo dados divulgados nesta quarta-feira (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas 1 em cada 10 adultos baianos (10,1%) concluiu o terceiro grau em 2018. Com esse percentual, a Bahia ficou acima apenas do Maranhão, onde só 8,6% dos adultos terminaram a faculdade. A taxa do estado ficou abaixo da média nacional, de 16,5% das pessoas de 25 anos ou mais de idade com curso superior completo em 2018.

No estado, o percentual de adultos com nível superior praticamente não mudou entre 2017 (9,9%) e 2018 (10,1%). Nesse período, o estado foi ultrapassado por Alagoas (de 8,4% em 2017 para 10,3% em 2018) e Pará (de 9,1% para 10,7%).

Aliado a isso, a Bahia tem outro dado preocupante, na avaliação de especialistas: o percentual de pessoas de 15 a 29 anos de idade que não estavam estudando e nem trabalhavam avançou pelo segundo ano consecutivo e chegou a 28,2% em 2018 – quase um milhão de pessoas nessa situação (962 mil).

Para além da educação, os resultados revelados pela Pesquisa Anual por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-Contínua) apontam para um futuro preocupante da juventude baiana. Hoje, um terço da população do estado não estuda, não trabalha e ainda tem acesso limitado ao ensino superior.

“Estamos diante de um cenário muito preocupante. O número da Bahia é muito baixo mesmo em relação ao do Brasil, cuja média já é muito baixa. Se olharmos países em desenvolvimento, a taxa de população com ensino superior é de 30% a 35%”,avalia Tarso Nogueira, pró-reitor de Graduação do Senai Cimatec. 

Ele cita os casos de Israel e Coreia do Sul, países que passaram por um ciclo curto de desenvolvimento e hoje se destacam em inovação tecnológica. “São países que têm mais de 50% da população com ensino superior. Isso é importante porque estamos vivendo grandes transformações tecnológicas e isso vai se acelerar muito nos próximos anos, a chamada sociedade 5.0, amplamente conectada. O Brasil precisa de uma massa populacional preparada para essas transformações”, ressalta.

Nogueira pontua ainda que a tecnologia está em franca expansão e não se relaciona apenas com as engenharias, mas entra em áreas como Direito, Medicina e Ciências Sociais. “Nos EUA, as Ciências Sociais já estão estudando a relação de humanos e robôs. Na Universidade de Illinois, cursos de Medicina estão sendo integrados com Engenharia”, conta.

Razões
O estudante de Jornalismo Cássio Moreira, 21 anos, enfrenta essa realidade. No quinto semestre em uma instituição privada de Salvador, ele precisou trancar o curso: “Tive que sair do estágio, que era uma fonte de renda, e meu pai sofreu um acidente, tive que cuidar dele. Fiquei apertado e tive que trancar”.

Cássio espera voltar ainda este ano, mas não esconde a preocupação. “Tem sido bastante difícil com esses cortes e contingenciamentos, o que prejudica o acesso às instituições públicas. As instituições particulares não oferecem alternativas nem condições para que os estudantes possam permanecer”, diz.

Cássio tem 21 anos e precisou trancar o curso de jornalismo por conta das dificuldades financeiras
(Foto: Marina Silva/CORREIO)

Embora, na Bahia, o número de pessoas que terminaram o ensino superior seja o segundo pior do país, a realidade do estado não difere muito do resto do Brasil. A coordenadora de projetos do Todos Pela Educação, Thaiane Pereira, diz que o percentual de pessoas jovens que não trabalham nem estudam preocupa. No Brasil, em 2018, eram 23% daqueles com idades entre 15 a 29 anos.

“Os gestores públicos precisam entender quem são esses jovens que estão fora da escola e do mercado.Tem uma massa enorme de jovens,com alto potencial, subaproveitados”, diz Thaiane.

Desigualdades
Thaiane afirma que este cenário é reflexo da realidade do país de desigualdades sociais. Na Bahia, a taxa de pessoas com ensino superior completo entre a população branca foi de 17,9%. Entre negros e pardos, o número cai pela metade (8,4% deste grupo).

Além disso, os maiores índices estão nas regiões Sul e Sudeste. A taxa de analfabetismo reflete as desigualdades regionais, com as taxas mais elevadas no Nordeste (13,9%) e Norte (8%). No Sudeste, era de 3,5%. Na Bahia, 12,7% das pessoas acima de 15 anos são analfabetas.

“Nível de desigualdade que ainda permanece muito alto e é fruto de um padrão histórico, que vem passando entre as gerações. Essas populações sofrem com maior vulnerabilidade social, com altas taxas de trabalho juvenil, e estão mais dispostas à violênica”, avalia Thaiane.

Início do problema
Outro ponto levantado por ela é quanto à realidade das escolas, o que pode ser observado pelas taxas de evasão. Aos 4 ou 5 anos, quando a educação passa a ser obrigatória, pouco mais de 9 em cada 10 crianças baianas estão na pré-escola: 96,8%. A taxa é a quarta do país e está acima da média nacional (92,4%).

Mas no grupo etário de 11 a 14 anos, a defasagem/abandono escolar já começa a se apresentar. Nessa faixa etária, duas em cada 10 crianças na Bahia (19,9%) já não estão cursando o segundo ciclo do ensino fundamental. Esse percentual mais que dobra entre os de 15 a 17 anos.

Nessa faixa etária, 44,6% ou já saíram da escola ou ainda não chegaram ao ensino médio. “Isso está relacionado a diversos fatores. Desde uma escola que não faz parte da realidade adequada, até outros fatores relacionados a trabalho, cuidar de alguém, principalmente as mulheres”, afirma.

Para os especialistas, o caminho passa por mais investimentos, com foco na educação básica e ampliação do acesso ao ensino superior.

Salvador melhora índice na pré-escola
De acordo com a Pnad Contínua, Salvador conquistou o terceiro lugar entre as capitais com a melhor taxa de escolarização da pré-escola (crianças de 4 e 5 anos). Na capital baiana, a taxa em 2018 foi de 98,5%, abaixo apenas de outras duas cidades nordestinas – Teresina, no Piauí, e São Luis, no Maranhão, com cerca de 99%.

Nas pré-escolas, a capital evoluiu em relação a 2016, quando a taxa era de 96%.

“Temos ações contínuas nas comunidades para  buscar as crianças que estão em idade escolar e não estão na escola”, diz o secretário municipal da Educação de Salvador, Bruno Barral.

Ele avalia que a educação é baseada em três pilares: acesso, permanência e aprendizagem. Neste sentido, Barral ressalta o projeto Escola Sem Muros, que abre as portas das unidades de ensino para as comunidades. Ele reforça que a prefeitura tem investido para proporcionar uma boa ambiência na escola, com boa infraestrutura, incentivando a participação dos pais e com merenda de qualidade, por exemplo.

O secretário conta que, entre 2013 e 2016, o número de vagas na educação infantil saltou de 17 mil para 44 mil na capital e que 60% das escolas já foram reformadas e outras 19 estão com intervenções de reconstrução e ampliação em andamento.

A prefeitura tem feito avaliações no início e no final do ano letivo. “É uma forma de acompanharmos, sabermos como o aluno entra e como ele sai”, diz.

Frequência escolar ainda é problema
Em 2018, a taxa ajustada de frequência escolar líquida entre as pessoas de 15 a 17 anos, que mede quantas delas estão na escola e cursando o nível de ensino adequado à idade, refletindo repetência e evasão escolar, era de 55,4% na Bahia. Essa foi a segunda taxa mais baixa do país, acima apenas da verificada em Sergipe (50,8%).

A defasagem/abandono escolar na Bahia praticamente duplicava novamente na faixa etária seguinte. Em 2018, pouco mais de 8 em cada 10 jovens de 18 a 24 anos ou haviam abandonado a vida escolar ou ainda não tinham chegado à universidade. O estado tinha a menor taxa ajustada de frequência líquida do país para o grupo: 16%.

Além destes dados, a Bahia teve no ano passado indicadores negativos para a educação. O ensino médio do estado ficou em último lugar no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), feito pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). De acordo com os dados, a Bahia ficou com nota 3 no ensino médio – 1,3 abaixo da meta para o ano, que era de 4,3.

Abandono, atraso e notas baixas em avaliações foram os motivos apontados pelo Ministério da Educação (MEC) para o índice alcançado pelo estado.

O CORREIO procurou a Secretaria de Educação do Estado (SEC) para comentar os dados, mas as respostas só chegaram após as 22h30 desta quarta-feira (19), quando a edição impressa do jornal já havia fechado. Em nota, a pasta afirmou que “tem desenvolvido uma série de ações visando tornar a escola mais atraente para os estudantes combatendo o abandono. São projetos voltados à Ciência, ao Esporte, à Educação Profissional e Tecnológica, ao Empreendedorismo, Inovação, bem como à Arte e a Cultura, que dinamizam o ambiente escolar e promovem o protagonismo estudantil. Uma das iniciativas é o projeto Escolas Culturais, presente em 85 unidades escolares da rede estadual, e os Centros Juvenis de Ciência e Cultura, que oferecem 75 cursos e oficinas nos turnos opostos aos quais os estudantes estão matriculados na escola regular”, diz a nota.

A SEC tmabém informou ressaltou que a Bahia avançou no atendiemnto educacional às crianças de 4 a 5 anos. De acordo com o secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues, os dados refletem os esforços empreendidos em função do regime de colaboração entre o estado e os municípios com foco na alfabetização das crianças na idade certa, até 8 anos. Isso passa pela formação de professores, assessoria técnica aos municípios e também pelo fornecimento de material didático.

“Desde 2007 que o Estado vem fazendo um esforço, por meio do regime de colaboração com os municípios, para alfabetizar todas as crianças baianas na idade certa. Esta pesquisa mostra o resultado desta parceria que estamos fortalecendo cada vez mais com a UNDIME, a UPB, UNCME, com as universidades, os Institutos de Ensino Superior e, também, com os secretários de Educação dos Estados do Nordeste para uma agenda comum das aprendizagens”, afirmou.

Em relação à alfabetização, a SEC informa que, apesar de o índice ser de 12,7%, houve avanços, uma vez que a taxa de alfabetização subiu de 84,7% para 87,3% na faixa etária acima dos 15 anos. Segundo a SEC, o programa Todos pela Alfabetização (TOPA) cerca de 1,5 milhão de jovens e adultos desde 2007.

Related posts

Após passar por transplante de fígado, jovem de 19 anos morre em acidente em MG

NS.ZUMPE

CNH Social Gratuita para todos os estados do Brasil pode ser liberada

NS.ZUMPE

Educação: Inep abre enquete para que estudantes votem em datas do Enem

NS.ZUMPE

Deixe o seu Comentário

Prove que é Humano *