Bahia Brasil Brumado-Bahia Caetité Classificados Comércios Destaque Guanambi Bahia Noticias Sudoeste da Bahia www.ZUMPE.com.br

Inema renova licenças de supressão vegetal para adutora, barragem e cava da Bamin

O Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) emitiu três portaria renovando as autorizações de supressão vegetal referentes ao projeto Pedra de Ferro, da Bahia Mineração (Bamin).

As licenças, emitidas em 2017 e vencidas em janeiro deste ano foram prorrogadas até março de 2025 e são referentes a construção da adutora, da barragem de rejeitos, da pilha de estéril e da cava da mina.

A Bamin é uma empresa pertencente à Eurasian Rosources Group (ERG), grupo econômico sediado em Luxemburgo, cujo 40% do capital pertence ao governo do Cazaquistão.

Há dez anos, a empresa conseguiu o direito de explorar a mina, no entanto, o projeto ficou praticamente parado nos últimos anos, devido à crise na cotação do minério de ferro no mercado internacional.

Para a construção da adutora que levará a água necessária para processar o minério está permitido o desmatamento de uma área total de 557,95 ha, abrangendo os municípios de Caetité, Pindaí, Malhada, Palmas de Monte Alto e Guanambi.

Segundo a portaria, a estimativa é de que a supressão vegetal resultará em quase 9 mil m³ de rendimento de material lenhoso.

A água será captada às margens do rio São Francisco, em Malhada. A outorga emitida à empresa permite captar até 1.600 m³/h, no entanto, segundo a Bamin, serão captados cerca de 700 m³/h.

Ainda segundo a Bamin, parte do volume da água retirada será devolvida ao curso d’água, com o objetivo de perenizar os riachos que serão submersos com a construção da Barragem.

Para a construção da barragem de rejeitos, a licença renovada permite o desmatamento de uma área de 426,76 ha, localizada nos municípios de Caetité e Pindaí.

O rendimento de material lenhoso estimado na área onde serão depositados os rejeitos da mineração foi estimado em 8.798,55 m³.

O projeto da barragem de rejeitos prevê o armazenamento de 180 milhões de m³ nos 30 anos de exploração da mina. Esta parte do projeto enfrenta resistência de parte da população, principalmente de Guanambi, onde um grupo organizado realiza ações contra o empreendimento.

A Bamin diz que a construção da barragem é necessária, pois 2/3 da rocha é composta de um material chamado Itabirito, que precisa passar pelo processo de beneficiamento. O 1/3 restante é da rocha Hematita, um minério com pureza aproximada de 65% que pode ser processado a seco.

A autorização renovada que permite o maior desmatamento está no local disponibilizado para pilha de estéril e para a cava da mina.

A área prevista para ter a vegetação suprimida é de 1.793,23 ha, também localizada entre os municípios de Caetité e Pindaí.

O rendimento de material lenhoso foi estimado em 25.167,52 m³.

A mina tem volume de minério estimado em 470 milhões de toneladas. A Bamin planeja extrair todo o conteúdo em 30 anos, chegando a 20 milhões de toneladas por ano no auge da produção. A preços atuais, todo o volume extraído geraria uma receita de 50 bilhões de dólares durante toda a vida útil da mina.

Em Caetité, é grande a expectativa para o início da operação da mina, além da geração de empregos, os impostos da Bamin aumentarão significativamente as receitas do município.

Já em Guanambi ainda é grande a resistência por conta da barragem e rejeitos, prevista para ser construída na bacia do rio Carnaíba de Dentro, acima da barragem de Ceraíma, principal reservatório de água da região, de comunidades rurais e da própria cidade. Moradores temem que a barragem possa se romper, causando tragédias como ocorridas em Mariana, em 2015, e em Brumadinho, em 2019.

A Bamin diz que a implantação da mina Pedra de Ferro irá gerar 30 mil empregos na fase de construção, incluindo ferrovia e o Porto Sul, a ser construído em Ilhéus. Durante a fase de exploração, a empresa afirma que serão gerados 10 mil empregos diretos e indiretos.

A empresa segue reafirmando que seu projeto de barragem é seguro para a população e para o meio ambiente. Em relação ao desmatamento, a Bamin afirma que já realiza ações de reflorestamento como compensação ambiental, possuindo há alguns anos um viveiro para reprodução das mudas.

A Bamin pretende começar as obras da mina e do porto já em 2020. Todas as licenças de instalação já foram emitidas.

A viabilização do projeto necessita ainda da conclusão das obras da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) e da construção do porto, ainda não iniciado. Por: Agência sertão

Related posts

Vacina da Sinovac contra a Covid-19 se mostrou segura em testes com 50 mil voluntários

NS.ZUMPE

Três médicos morrem em grave acidente em Minas Gerais

NS.ZUMPE

Políticos com patrimônio milionário têm auxílio emergencial liberado pela Caixa.

NS.ZUMPE

Deixe o seu Comentário

Prove que é Humano *